Slide 01
Slide Social
Governo de São Paulo vai terceirizar serviço de 190 da PM

Governador Geraldo Alckmin (PSDB) argumenta que
medida libera 700 policiais do atendimento
telefônico de ocorrências para fazer patrulhamento






A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo vai terceirizar o atendimento de emergências por telefone da Polícia Militar – o disque 190. Empresas privadas serão contratadas por licitação. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta quarta-feira que a iniciativa é “positiva”.

“É um estudo que está sendo feito, que ainda não está definido”, disse Alckmin durante evento no Palácio dos Bandeirantes. O projeto-piloto, porém, está pronto e começa pela capital paulista, Osasco e São José dos Campos. O modelo de licitação já está definido e aguarda aval jurídico.

Alckmin argumentou que o objetivo é liberar parte dos 700 PMs do 190 para que voltem às ruas. “Devemos ter cada vez mais o policial na atividade-fim. O policial é um profissional extremamente especializado. Você pode ter civis nesse trabalho, liberando os policiais”, disse o governador.

Estudo da PM apontou que, com 150 000 ligações por dia, o atendimento 24 horas deveria ter 1 200 funcionários. Sem ter como retirar mais policiais das ruas para reforçar a equipe do disque, o governo decidiu testar um modelo que funciona em Minas Gerais, Distrito Federal, Rio de Janeiro e Sergipe.

“Essa medida faz parte de uma atividade que já está sendo desenvolvida faz um tempo pela Polícia Militar, que é eliminar o emprego de policial em atividade-meio e empregá-lo em atividade-fim”, diz o secretário da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira.

As equipes contratadas serão treinadas e trabalharão sob orientação de policiais, segundo a PM.

Nordeste - Em janeiro de 2010, a morte de um comerciante que ligou para o 190 levantou dúvidas sobre a terceirização em Sergipe. A vítima ligou e informou que havia suspeitos em uma moto na frente de sua loja. A atendente pediu placa, detalhes dos homens e não processou o pedido. O comerciante foi morto com um tiro na cabeça.

A proposta de terceirizar, no entanto, é criticada por especialistas em segurança pública. “O argumento de que vai reforçar o policiamento na rua não procede. Boa parte [dos policiais] não tem mais o perfil”, disse o analista criminal Guaracy Mingardi, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Para ele, se parte dos 700 PMs que atuam nos 15 Comandos de Operação da Polícia Militar (Copom) for liberada, o número é muito baixo para resolver a falta de policiais nas ruas. O efetivo de São Paulo passa dos 90 000 policiais militares.

Para o coronel da reserva José Vicente da Silva Filho, o ideal seria optar por policiais aposentados ou com problemas de locomoção: ”Em Nova York, quem faz o atendimento são senhoras de cadeiras de rodas. Pode dar certo o atendimento com terceirizados, mas é preciso um bom treinamento e que eles atuem sempre com a supervisão da PM”.

Fonte: veja.abril.com.br